Sentir

No limiar da ternura perdida

Reencontro o eu que perdi

Aquele que está pronto para sair

Sentir e amar

Sem julgamentos

Sem qualquer dúvida

Apenas viver a experiência do amor

Sentir no seu coração

Aquele calor

Aquela luz

Aquele prazer de se sentir amado

Querido

Apreciado

Sentir assim sem pudor

Sem qualquer dúvida da realidade do ato

Sem qualquer defesa nem máscara

Sentir o amor que me rodeia

E daqueles que me amam

Sentir só por sentir

Viver a alegria do momento

Viver o presente

Aquele carinho ou abraço

Viver agora sem pensar

Simplesmente sentir

Esse amor que me rodeia e me protege

A sentir estarei e a viver o agora também

Anúncios

Viver

Estando parado á espera

Reparo que tudo é fútil

Inalcançável

Segundo os parâmetros da sociedade

É inalcançável

Porque nos esforçamos tanto para atingir o inalcançável

E esquecemos o que temos na frente

No momento presente

Aquilo que podemos alcançar

O que está mesmo á nossa frente

Porque é que não vemos?

O que nos leva a ignorar as evidências

A nossa vida

O nosso presente

Porque nos recusamos a olhar para nós

Ver o que precisamos

O que realmente precisamos

Porquê?

Será demasiado pedir?

Viver o momento

Será demasiado olhar para dentro

Viver e sentir o momento

Sentir o amor e carinho que nos rodeia

Será?

Pois agora será isso que farei

Esquecerei os parâmetros da sociedade e sentirei

Sim, sentirei tudo o que me rodeia

Querer

Manuscrito perdido no horizonte, nos faz pensar na vida e na morte

Tão efeméride a nossa existência

Tão volátil o nosso querer

Perdido no horizonte o pedido está

O pedido perdido que já não importa

Porque o tempo levou a importância

A importância do momento que o tempo levou

O momento passou e o pedido também

A vontade alterou-se

Moldou-se ao momento que o tempo alterou

Mudou o querer e a vontade

Perdeu-se no tempo do querer

Alterou-se para nunca mais voltar

Como é efémero o nosso querer

Resposta

Imensidão do ser perdido na dor

Perdido no sentir sem sentido

Na penumbra da dor

Do terror da inserteza

Á loucura do saber

No limbo me encontro

Perdido a espera da resposta

Resposta que alguém me dará

Resposta essa esperada com ansiedade e temor

Essa resposta temível mas ao mesmo tempo desejada

Chega como deves chegar

Cá estarei a tua espera

Momentos

Momentos perdidos

Momentos encontrados

Na estranheza do ser encontro Paz

Essa Paz tão valorizada e procurada

Encontro sem temer o meu caminho

A rota que devo seguir

O rumo por fim encontrado

Encontro assim o meu destino

A minha forma de estar e sentir

Cominho para criar e desbravar

Encontrar o que espero

Certamente será utopico

O caminho devo procurar e encontrar

Só assim poderei viver o meu verdadeiro propósito

Porque só assim

Encontrarei a Paz

A Paz que tanto procuro

E que sempre me escapa

Memórias

Memórias de quem parte e de quem fica
Memórias perdidas no tempo e na lembrança do passado
Memórias que aparecem
Memórias que se tornam vivas
Assim que assolam a nossa mente
Memórias infinitas de um tempo passado
Uma memória longínqua
Uma memória esquecida que se torna real
Uma memória de um passado esquecido
Que se torna tão presente quanto o presente em si
Memórias
Tudo o que nos restam são memórias
Memórias de outros tempos e outras realidades
Memórias relembradas
Que tornam o momento mais real
Onde a presença impera
Apesar de a vida não estar
Só a memória fica
E a aprendizagem adquirida
Memórias infinitas ficam como excertos de um filme
De um filme com a película danificada
Apenas os excertos permanecem que o tempo levará
Escertos de uma memória viva
Que perde o rumo da história
A memória fica com o sorriso da derrota
Do inesquecível tempo que passa sem parar
Ficará a recordação da bolacha e da simpatia no olhar
Ficará e permanecerá esse excerto
E nada o apagará

Memórias

As memória voltam quando menos esperamos

As amizades antigas voltam sem avisar

Como um leve bater na porta

Que bem sabe voltar a ver

Voltar a sentir

Reviver os momentos

Será que estamos diferentes?

Sim, claro que sim

A vida acontece

E não para de acontecer

Mas reviver as vezes também é viver

Obrigado a todos que passaram

E também aos que passarão

Eu sou

Acordei a pensar que seria

Que seria esta vontade

Este prazer

Que seria esta alegria

Que seria

Que seria este sorriso dos meus lábios

Este prazer que sinto

Que será

Que será esta sensação

Que será este sorriso do meu ser

Serei eu que me reconheço

Será isso que me faz feliz e sorrir

Se assim for, que magnífica sensação

Que sensação deliciosa

Que prazer delicioso

Bem-vindo sejas e permanece

Que és bem vindo